O problema com o pensamento positivo

Visualizar o positivo não motiva, pelo contrário.

Primeiro, podemos por em questão todos os benefícios desta prática pelo simples facto de não existirem provas cientificas dos seus benefícios, pelo facto de que pessoas mais positivas não serem aquelas que mais objetivos cumprem.

O que acontece

Visualizar, sonhar tem um efeito de relaxamento, baixa a nossa energia biologicamente falando. Esta técnica é ótima em casos nos quais não possuímos escolha, onde estamos sobe uma autoridade (prisão, repressão).

Esta prática ajuda e é útil precisamente para aguentar a situação atual e sobreviver até ao momento onde estaremos livres e poderemos passar à ação.

Mas então o que podemos usar em vez da visualização?

Contraste mental

1º.. Visualizar os benefícios de fazer (X atividade)

2º.. Visualizar os obstáculos e as dificuldades

Fazer o inverso não funciona, deves começar por visualizar o positivo e depois o negativo.

Isto traz um pouco o sonho de volta à realidade, antecipando assim as peripécias, o que nos permite criar à priori instrumentos comportamentais, no sentido de nos ajudar a controlar os nossos próprios comportamentos e gerir as dificuldades quando estas chegarem.

Esta é uma estratégia meta cognitiva um pouco menos “sexy” do que somente a visualização.

Pois, se fores ver agora um vídeo motivacional ou uma palestra de desenvolvimento pessoal clássica vais sentir uma emoção mais agradável, uma gratificação momentânea pois eles afirmam que basta somente querer, acreditar e sonhar que isso irá acontecer

 

“A guerra é ganha antes de se pisar o campo de batalha…” Sun Tzu

 

 

Implementação das intenções

A implementação das intenções é um conceito muito simples. A lógica é que quando tiveres uma dificuldade/problema, criares um plano do tipo:

 

“Se X, então ……”

 

Exemplo

  • Se durante o dia vir um bolo de chocolate ao passar pela pastelaria, então vou baixar o olhar/ ligar a um amigo para me distrair/ ir para casa.
  • Se chegar a casa cansado e não quiser fazer exercício, então vou calçar as sapatilhas e correr na mesma.

É um método simples, que consiste em fazer afirmações positivas acerca das nossas intenções e de as implementar.

Esta tácita foi estudada e validada cientificamente pela sua eficácia.

Woop

Consiste na mistura dos 2 métodos:

  1. Formular desejos, visualização positiva
  2. Formular resultados, aquilo que vamos sentir fisicamente, aquilo que nos vai fazer concretamente.
  3. Dizer os obstáculos, principalmente os internos (Medo, receio, ansiedade etc.)
  4. Formular um plano para superar esses obstáculos.

 

Exemplo:

  1. Ir correr
  2. Vou me sentir bem e equilibrado
  3. Vou estar cansado quando chegar a casa
  4. Se chegar cansado a casa, então vou calçar-me e sair.

 

  1. Comer fruta todos os dias
  2. Boa saúde
  3. Não tenho fruta em casa
  4. Se sair do trabalho ás 19h, então vou comprar fruta antes de ir para casa.

 

Conclusão

 

Melhores efeitos a longo prazo, metemos em causa o culto da visualização simplista, que é algo que pode ter um efeito negativo e criar imensa frustração nas pessoas, por não ter os resultados expectados.

Convido-te a testar e veres por ti próprio se é algo que resulta contigo.

Pessoalmente, foi algo que arruinou a minha mente. Acho que já fazia um certo contraste mental quando era mais miúdo, mas depois de ouvir falar da visualização fiquei desconfiado da simplicidade absurda, mas fui um bom cético e experimentei na mesma.

O problema foi que descredibilizei a visualização, e acabei por negar o processo que já fazia naturalmente de antecipar o obstáculo.

Acabei por associar isso a algo pessimista. Simplesmente deixei de me permitir de visualizar, e muito menos imaginar as coisas negativas.

Isto estragou imenso a minha mente e vivência do dia a dia, pois sou alguém que gosta de planear minimamente as coisas antes de acontecerem, e acabei por censurar esse bom hábito que tinha.

 

Felizmente a autora pós a visualização em questão e permitiu explicar os problemas associados a ela, problemas este que muita gente deve ter sofrido, tal como foi o meu caso.

A imaginação e visualização são um pouco um recreio, na qual deves poderes montar e desmontar tudo e brincar sem limites.

É Psico(lógico).

 

 

Para mais informações:

Livro “Rethinking Positive Thinking” de Gabriele Oettingen

Partilha este artigo:
  •  
  •  
  • 2
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *