A coragem de ser si próprio

A coragem de ser si próprio

“Tudo aquilo que esconderes continuará a crescer e tudo aquilo que expuser, se for mau, desaparecerá, se for bom será nutrido”. Osho

 

A minha mente atormentou-me após ter deixado a serra passado 2 dias. Embora, tivesse aceite o facto de abandonar o desafio por já não fazer sentido, parte de mim não sossegava.

Dediquei um pouco de tempo e sentei-me a meditar. Tentei perceber o porquê da minha mente não aceitar a minha desistência do desafio. Decidi retirar tudo, imaginar-me no vazio. Individualmente, o facto de ter voltado a casa não me causava qualquer tormento.

Então, adicionei-vos à equação, vocês leitores a quem tinha dito o meu desafio.

Foi aí que apanhei o problema. Os pensamentos (imaginários) que repetidamente me iam massacrando vinham de vocês. O problema não era assumir a minha decisão perante mim, era assumi-la perante vocês.

O problema estava em como vos dizer que tinha abandonado, de modo justificável, de modo a controlar a imagem que isso transmitia, de modo a não estragar a minha imagem. (Ego).

– “Ele falhou o primeiro desafio”.

– “Não vai cumprir os próximos”.

Era isso que o meu cérebro imaginava se dissesse a verdade, era isto que não estava a aceitar (Ego).

Eu tinha medo de assumir a minha decisão, pois desconhecia as suas consequências. Quando não sabemos, o cérebro tenta imaginar e aquelas frases foram as “expetativas” do meu cérebro.

Tinha medo de revelar que desisti e que as pessoas me achassem fraco por isso. (Encontramos o problema).

 

Felizmente, quase por coincidência, acabei na serra o livro “Coragem, a alegria de viver perigosamente” do Osho.

Ele afirma no seu livro que a personalidade não existe, apenas a individualidade. Ora a personalidade é uma invenção que tem por objetivo proteger o ego, ora o ego é uma invenção que tem por objetivo proteger os nossos medos.

Observa por ti próprio, analisa o quanto aquilo que tentas parecer serve precisamente para proteger aquilo que não és e que tens medo de revelar.

Pois se tentas parecer (ex: falador, criativo, estudioso), é porque não o és, e se não o és e tentas parece-lo, é porque não aceitas o facto de seres como és.

Mas não é o facto de não aceitar, tens apenas medo das consequências de revelar o que és (daquilo que as pessoas possam achar ou dizer de ti).

 

Não lutes contra o ego, ele não é o problema real. O problema é o medo. Não combatas o sintoma, combate a doença”. Osho

 

Aceito!

Posso dizer que estava imenso frio e que estava mal preparado, ou poderia inventar e dizer que uma vaca me furou a tenda.

Essas eram as desculpas que me repetia na minha cabeça, quando tivesse que justificar o meu abandono.

A verdade não precisa de ser lembrada, mas as mentiras sim, é por isso é que tinha o mesmo dialogo em repetição na minha cabeça.

São desculpas, e por muito que vos convençam, não me convencem a mim.

A única coisa que tenho que aceitar é que fui embora a meio do desafio porque já não o queria fazer, e aceito que não ter cumprido os 7 dias só para parecer bem.

 

A partir do momento em que aceitas as tuas falhas, ninguém as poderá usar contra ti. Tyrion Lannister (Got)

 

Agora estou bem, já não há luta interna. Sem ter que me justificar eu sei que teria aguentado o frio da noite, o tédio dos dias. Como todos nós já aguentamos, já engolimos sapos não só para mostrarmos que somos capazes, mas também para proteger o ego, para calar alguém.

Vencer este desafio teria sido aborrecido, mas possível. O verdadeiro desafio está em aceitar as nossas decisões, sem deixar que elas nos atormentem o resto da vida.

Preferi alimentar a minha verdade, do que projetar uma imagem que não sou eu, e assumir as consequências, quaisquer que sejam elas.

Aprender a aceitar o que somos, evita que passes uma vida a conquistar coisas que não desejas realmente, apenas parecer algo.

Podes comprar as melhores sapatilhas da adidas porque todos os teus amigos adoram a marca, embora tu odeies e prefiras a nike. Sentes-te bem, pois todos os teus amigos de concedem “poder”, pois tu possuis algo que todos eles desejam. Mas no fundo não te sentes realmente bem, porque tu querias as da nike, mas tens medo de assumir isso e perder o “poder” que os teus amigos de concedem e que eles te vejam até como fraco, esquisito etc.

Pode parecer uma analogia fútil, mas a essência está lá, ilustra que seres tu próprio demanda coragem. Mas recebi os melhores comentários desde que decidi fazer algo que eu sou realmente, em vez de parecer e vender algo do qual não sei nada.

 

“As pessoas matam à fome a sua realidade e engordam a sua irrealidade” Osho

 

Temos medo do medo, mas deves aprender a fazer precisamente aquilo que ele te diz de não fazer. Tinha mais medo de desistir e assumi-lo, do que passar 7 dias na serra. O teu cérebro imagina sempre o pior, mas este basicamente nunca acontece. Talvez não seja preciso coragem para despirmos a armadura, apenas um pouco de loucura.

Não é sobre coragem ou loucura, é apenas sobre seres tu mesmo.

Quantas vezes não és tu próprio para agradar aos outros?

Partilha este artigo:
  •  
  •  
  • 12
  •  

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *